| Eu


  • Oi Pessoal! Sejam bem-vindos ao Blog da Minhokinha. Muito prazer, eu sou Beth Fernandes! Moro em Brasília, farei 32 anos dia 27/09, tenho uma filha linda, um esposo apaixonado, uma vida simples como a de muita gente. Esse é um cantinho para relaxar, para as horas livres, para esfriar a cabeça. Para fazer amigos e descontair. Então, vamos nessa!!! :c)

    Data e Hora Nosso dia começa cedo, às 06h00

    Tempo período de chuvas, graças a Deus

    vestindo sempre a vontade

    calçando sempre confortável

    Coemendo algo gostoso, com certeza

    Bebendo algo refrescante, com certeza

    Assisitindo noticiário

    Navegando visitando o mundo virtual dos amigos

    Ouvindo minha filhinha tagarelando..rs

    Pensando mil coisas para fazer, será que dá tempo?

    Novidades2008 promete ser um ótimo ano

    Sentindo feliz da vida

    MSN sempre com as pessoas que gosto





    | Fotinhas

  • Fotos

    | Dia e Hora




    | Blogs







  • Blog da Sá

    ChuchuSite

    Bloguinho da Gra

    Coisinhas e Tal

    | Sites

  • Baby Einstein
  • Bubblegum
  • Coisas miúdas
  • Diddl
  • Discovery Kids Brasil
  • Fontes
  • Forever Friends Bear
  • Giffs para você
  • Magia Gif's
  • Snoopy
  • Tabela de Cores
  • Tatty Teddy
  • Toread
  • Turma da Mônica



    | Quadrinhos

    Garfield

    www.tirinhas.com Tiras do Hagar Tiras do Zero

    | Awards





    | Link-me

    | Histórico



    - 01/06/2008 a 30/06/2008
    - 01/05/2008 a 31/05/2008
    - 01/02/2008 a 29/02/2008
    - 01/01/2008 a 31/01/2008
    - 01/12/2007 a 31/12/2007
    - 01/10/2007 a 31/10/2007
    - 01/09/2007 a 30/09/2007
    - 01/08/2007 a 31/08/2007
    - 01/07/2007 a 31/07/2007
    - 01/06/2007 a 30/06/2007
    - 01/05/2007 a 31/05/2007
    - 01/04/2007 a 30/04/2007
    - 01/03/2007 a 31/03/2007
    - 01/02/2007 a 28/02/2007
    - 01/01/2007 a 31/01/2007
    - 01/12/2006 a 31/12/2006
    - 01/11/2006 a 30/11/2006
    - 01/10/2006 a 31/10/2006
    - 01/09/2006 a 30/09/2006
    - 01/08/2006 a 31/08/2006
    - 01/07/2006 a 31/07/2006
    - 01/06/2006 a 30/06/2006
    - 01/05/2006 a 31/05/2006
    - 01/04/2006 a 30/04/2006
    - 01/03/2006 a 31/03/2006
    - 01/02/2006 a 28/02/2006
    - 01/01/2006 a 31/01/2006
    - 01/12/2005 a 31/12/2005
    - 01/10/2005 a 31/10/2005
    - 01/09/2005 a 30/09/2005
    - 01/08/2005 a 31/08/2005
    - 01/07/2005 a 31/07/2005
    - 01/06/2005 a 30/06/2005
    - 01/05/2005 a 31/05/2005
    - 01/04/2005 a 30/04/2005
    - 01/03/2005 a 31/03/2005
    - 01/02/2005 a 28/02/2005
    - 01/01/2005 a 31/01/2005
    - 01/12/2004 a 31/12/2004
    - 01/11/2004 a 30/11/2004
    - 01/10/2004 a 31/10/2004
    - 01/09/2004 a 30/09/2004
    - 01/08/2004 a 31/08/2004
    - 01/07/2004 a 31/07/2004
    - 01/06/2004 a 30/06/2004
    - 01/05/2004 a 31/05/2004

     

    | Obrigada Evelyn!






  • *.* 30 Anos*.*

    QUATRO pessoas, num mesmo dia, me dizem que vão fazer 30 anos. E me anunciam isto com uma certa gravidade. Nenhuma está dizendo: vou tomar um sorvete na esquina, ou: vou ali comprar um jornal. Na verdade estão proclamando: vou fazer 30 anos e, por favor, prestem atenção, quero cumplicidade, porque estou no limiar de alguma coisa grave.

    Antes dos 30 as coisas são diferentes. Claro que há algumas datas significativas, mas fazer 7, 14, 18 ou 21 é ir numa escalada montanha acima, enquanto fazer 30 anos é chegar no primeiro grande patamar de onde se pode mais agudamente descortinar.

    Fazer 40, 50 ou 60 é um outro ritual, uma outra crônica, e um dia eu chego lá. Mas fazer 30 anos é mais que um rito de passagem, é um rito de iniciação, um ato realmente inaugural. Talvez haja quem faça 30 anos aos 25, outros aos 45, e alguns, nunca. Sei que tem gente que não fará jamais 30 anos. Não há como obrigá-los. Não sabem o que perdem os que não querem celebrar os 30 anos. Fazer 30 anos é coisa fina, é começar a provar do néctar dos deuses e descobrir que sabor tem a eternidade. O paladar, o tato, o olfato, a visão e todos os sentidos estão começando a tirar prazeres indizíveis das coisas. Fazer 30 anos, bem poderia dizer Clarice Lispector, é cair em área sagrada.

    Até os 30, me dizia um amigo, a gente vai emitindo promissórias. A partir daí é hora de começar a pagar. Mas também se poderia dizer: até essa idade fez-se o aprendizado básico. Cumpriu-se o longo ciclo escolar, que parecia interminável, já se foi do primário ao doutorado. A profissão já deve ter sido escolhida. Já se teve a primeira mesa de trabalho, escritório ou negócio. Já se casou a primeira vez, já se teve o primeiro filho. A vida já se inaugurou em fraldas, fotos, festas, viagens, todo tipo de viagens, até das drogas já retornou quem tinha que retornar.

    Quando alguém faz 30 anos, não creiam que seja uma coisa fácil. Não é simplesmente, como num jogo de amarelinha, pular da casa dos 29 para a dos 30 saltitantemente. Fazer 30 anos é cair numa epifania. Fazer 30 anos é como ir à Europa pela primeira vez. Fazer 30 anos é como o mineiro vê pela primeira vez o mar.

    Um dia eu fiz 30 anos. Estava ali no estrangeiro, estranho em toda a estranheza do ser, à beira-mar, na Califórnia. Era um homem e seus trinta anos. Mais que isto: um homem e seus trinta amos. Um homem e seus trinta corpos, como os anéis de um tronco, cheio de eus e nós, arborizado, arborizando, ao sol e a sós.

    Na verdade, fazer 30 anos não é para qualquer um. Fazer 30 anos é, de repente, descobrir-se no tempo. Antes, vive-se no espaço. Viver no espaço é mais fácil e deslizante. É mais corporal e objetivo. Pode-se patinar e esquiar amplamente.

    Mas fazer 30 anos é como sair do espaço e penetrar no tempo. E penetrar no tempo é mister de grande responsabilidade. É descobrir outra dimensão além dos dedos da mão. É como se algo mais denso se tivesse criado sob a couraça da casca. Algo, no entanto, mais tênue que uma membrana. Algo como um centro, às vezes móvel, é verdade, mas um centro de dor colorido. Algo mais que uma nebulosa, algo assim pulsante que se entreabrisse em sementes.

    Aos 30 já se aprendeu os limites da ilha, já se sabe de onde sopram os tufões e, como o náufrago que se salva, é hora de se autocartografar. Já se sabe que um tempo em nós destila, que no tempo nos deslocamos, que no tempo a gente se dilui e se dilema. Fazer 30 anos é como uma pedra que já não precisa exibir preciosidade, porque já não cabe em preços. É como a ave que canta, não para se denunciar, senão para amanhecer.

    Fazer 30 anos é passar da reta à curva. Fazer 30 anos é passar da quantidade à qualidade. Fazer 30 anos é passar do espaço ao tempo. É quando se operam maravilhas como a um cego em Jericó.

    Fazer 30 anos é mais do que chegar ao primeiro grande patamar. É mais que poder olhar pra trás. Chegar aos 30 é hora de se abismar. Por isto é necessário ter asas, e sobre o abismo voar.

    (13.10.85)


    O texto acima foi extraído do livro "
    A Mulher Madura", Editora Rocco - Rio de Janeiro, 1986, pág. 36.



    - Postado por: Beth Fernandes às 14h22
    [ ] [ envie esta mensagem ]

    _______________________




    *.*Primavera*.*

    A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

    Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

    Há bosques de rododentros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

    Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

    Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

    Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

    Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

    Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

    Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

    Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.



    - Postado por: Beth Fernandes às 09h40
    [ ] [ envie esta mensagem ]

    _______________________




    Não precisa ser para sempre,
    mas precisa ser até o fim!

    'Para sempre’, em minha opinião, é nada mais nada menos que um dia depois do outro. Ou seja, é construção. Em princípio, não existe. Mas basta que façamos a mesma escolha sucessivamente e teremos construído o ‘para sempre’.

    O que quero dizer é que o ‘sempre’ não é magia nem tampouco um tempo que pré-exista. Ele é conseqüência. Nada mais que conseqüência de uma sucessão de dias, vividos minuto por minuto.

    Quanto ao amor, tem gente que acredita que só é de verdade se durar “até que a morte os separe”. Outras, como o grande Vinícius de Moraes poetizou, apostam no “que seja eterno enquanto dure”.

    Eu, neste caso, admiro a coragem de quem vai até o fim, de quem se entrega inteiramente ao que sente, de quem se permite viver aquilo que seu coração pede até que todas as chamas se apaguem. Mais do que isso: até que as brasas esfriem e – depois de todas as tentativas – nada mais possa ser resgatado do fogo que um dia ardeu.

    Claro que não estou defendendo a constância indefinida de atitudes desequilibradas, exageros desnecessários ou situações destrutivas. Mas concordo plenamente com o que está escrito no comovente “Quase”, de Sarah Westphal (muitas vezes atribuído a Luiz Fernando Veríssimo):

    ... “Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar” ...

    Porque de corações partidos por causa de um amor vivido pela metade as ruas estão cheias. Assim como de almas que perambulam feito pontos-de-interrogação, a se questionar o que mais poderiam ter feito para que o outro também estivesse presente, para que não fugisse tão furtivamente, tão covardemente, tão sordidamente.

    É por isso que insisto: muito mais do que nos preocuparmos com o ‘para sempre’, precisamos começar a investir no ‘até o fim’, para que o ‘agora’ tenha mais significado, para que as intenções, as palavras, as atitudes e todos os recomeços façam parte de uma história mais sólida, menos prostituída, que realmente valha a pena.

    Então, questione-se: o coração ainda acelera quando o outro se aproxima? O peito ainda dói de saudade? O desejo ainda grita, perturbando o silêncio da noite? Não chegou ao fim! Não acabou.

    Sei que, em alguns casos, motivos de força maior impedem um amor de ser vivido (e daí a separação pode ser sinal de maturidade), mas na maioria das vezes o que afasta dois corações é muito mais intolerância, ilusões ou autodefesas tolas do que algo que realmente justifique o lamentável desfecho.

    O outro não quer? Desistiu? Acovardou-se? Ok! Por mais incoerente que pareça, é um direito dele. Esteja certo de que você fez o que estava ao seu alcance e depois... bem, depois recolha-se e pondere: “pros amores impossíveis, tempo”.

    Tempo em que você terminará descobrindo que a vida tem seu jeito misterioso de fazer o amor acontecer, mas que – no final das contas – feliz mesmo é quem, apesar de tudo, tem coragem de ir até o fim!

    Rosana Braga
    Palestrante, Escritora e Consultora em relacionamentos afetivos.
    Autora do livro "FAÇA O AMOR VALER A PENA", entre outros.
    rosana@rosanabraga.com.br
    www.rosanabraga.com.b



    - Postado por: Beth Fernandes às 07h48
    [ ] [ envie esta mensagem ]

    _______________________




    ~*.*Agora sim!!*.*~

     

    Começar sempre é preciso!

    Por que temos tanto medo de começar de novo se somos os seres mais capacitados e com maiores chances, para seguirmos novos rumos?

    O novo nos assusta tanto assim, ou será que estamos tão acostumados com nossas vidas, que só pensar em mudá-la sentimos calafrios?

    Quem é o nosso melhor amigo?

    Não é aquele que está ao nosso lado, mesmo quieto por horas só para te ver bem e poder estar contigo.

    Quem é o nosso amor?

    Com certeza quando encontrarmos saberemos.

    E os inimigos, não são pessoas próximas que na primeira oportunidade lhe fere e lhe trai?

    Então porque temos tanto medo de mudar ou recomeçar?

    A vida não pára e insiste em mostrar que somente temos chances de vencer de novo quando a derrota bate a sua porta.

    Aí você pensa e age.

     



    - Postado por: Beth Fernandes às 20h11
    [ ] [ envie esta mensagem ]

    _______________________




    ~*.*Novo template em breve - Se Deus quiser*.*~

    Após 1 mês de espera, entre a definição do lay, a viagem da Evelyn e tudo mais, finalmente estou com um template novo e definitivo (se meu bom Deus permitir...rsss). Gente, eu adorei!!! Mas, ainda não está perfeito. Há algum problema na página do uol que todos os templates (ah, sim, menos os do uol) que eu coloco fica aquela frase famosa no canto da página "Concluído, mas contém erros na página", o "Arquivo" simplesmente não existe e na plaquinha de "Linke-me" está escrito errado o 'Blog da Minhokinha'.

    Quando esses proleminhas estiverem resolvidos eu estréio!

    Abraço gente!



    - Postado por: Beth Fernandes às 22h05
    [ ] [ envie esta mensagem ]

    _______________________